|   -A     Padrão     A+   |  
Secretaria de Saúde - SS
PROGRAMA DST/AIDS

Serviços


1 - Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA)
O CTA reveste-se de uma grande importância estratégica, possibilitando a efetivação de ações educativas que visam reduzir o risco de infecção pelas DST/AIDS.

Trabalha-se com uma equipe de 5 aconselhadores, entre psicólogos, assistentes sociais e enfermeiros.

O trabalho de aconselhamento é realizado em três etapas:
• Aconselhamento coletivo.
• Aconselhamento individual pré-teste.
• Aconselhamento individual pós-teste.

Assim, o CTA atende a demanda espontânea, para orientações sobre Doenças Sexualmente Transmissíveis, HIV e Aids e oferece o diagnóstico sorológico de HIV e sífilis, hepatite virais, além de oferecer preservativos para todos os clientes que passam pela palestra coletiva.

Buscamos oferecer nossas ações para populações vulneráveis como adolescentes, mulheres, profissionais do sexo, usuários de drogas injetáveis, homossexuais e população carcerária em parceria com organizações não governamentais que realizam projetos financiados pelo Ministério da Saúde.

São oferecidos cursos de aconselhamento para profissionais de saúde (médicos, assistentes sociais, enfermeiros) e formados multiplicadores para trabalhar na comunidade: agentes de saúde, conselheiros locais, grupos jovens.

Trabalha-se o adolescente escolar, através do Programa de Educação Afetivo-Sexual, inclusive em escolas da zona rural de Juiz de Fora, pois a vulnerabilidade vivenciada pelos (as) jovens na adolescência requer que medidas de promoção e apoio ao seu desenvolvimento sejam planejadas, considerando o risco que determinados comportamentos podem representar.

Os usuários do COAS são referenciados para o Serviço de Atenção Especializada (SAE), quando soropositivos; Departamento das Clínicas Especializadas, Departamento da Mulher, Departamento da Criança e Adolescente e Departamento de Saúde Mental, Alcoólicos Anônimos, Narcóticos Anônimos, Grupo Casa, Numpaids, dentre outros.

O trabalho tem também uma abrangência na comunidade, pois desempenha atividades extramuros, como por exemplo, a participação constante nos mutirões da saúde. O CTA participa ainda de eventos como Carnaval, Dia Internacional da Mulher, Dia dos Namorados, Rainbow Fest, Miss Gay, Dia Mundial de Luta contra a AIDS, dentre outros.

Objetivos do CTA
Proporcionar uma ampla cobertura de diagnóstico de HIV para os cidadãos de Juiz de Fora, contribuindo para o diagnóstico precoce em gestantes e incentivar /disponibilizar realização de exame preventivo de colo de uterino para mulheres assistidas no CTA.

Desenvolver trabalho educativo em eventos de prevenção no município ,participar em Sipats de empresas, e outras instituições de nossa sociedade, promover orientação diária através do aconselhamenyto coletivo realizado no CTA, bem como disstribuir material informativo e preservativos a clientela.

Oferecer capacitações na área das DST e Aids, para profissionais de saúde, agentes comunitários e lideranças comunitárias (conselheiros e ONG's).

Produzir materiais educativos (vídeos, cartilhas, folders, cartazes), com textos atualizados, que possam ser oferecidos no trabalho de prevenção com os nossos parceiros.

Manter o estoque de preservativo sempre em quantidade suficiente para atender demanda.

Disque para CTA - 3690-7484
Aconselhamento Coletivo - Pré-teste
Rua Marechal Deodoro 496, 7º andar
Segunda a sexta: 8:30

2 -Serviço de Assistência Especializada (SAE)

Histórico
Diante da magnitude da epidemia do HIV/AIDS no Brasil, o Ministério da Saúde, através da Coordenação Nacional de DST e AIDS, a partir de l994, implantou diversas modalidades de atendimento, tanto na área de prevenção quanto de diagnóstico e tratamento.

Assim, foram estabelecidas diretrizes e ações de intervenção, definindo as responsabilidades dos diversos níveis da esfera governamental, junto à rede pública do Sistema Único de Saúde (SUS), buscando a implantação de serviços alternativos à assistência convencional, através de conceitos individualizados de níveis de atenção, resolubilidade diagnóstico-terapêutica, visando a obtenção da melhoria da qualidade de vida dos pacientes e racionalização de recursos humanos e financeiros.

Desta forma, desenvolveu-se o conceito de Serviço de Assistência Especializada (SAE), como um ambulatório que presta assistência às pessoas portadoras do vírus HIV e pacientes com AIDS, através de uma equipe multiprofissional. Definiu-se como objetivos prioritários: oferecer assistência humanizada e de qualidade, baseada na atenção integral do paciente e sua família; reduzir a demanda por internação hospitalar e a permanência nos leitos hospitalares, diminuindo gastos, e sobretudo, garantindo mais e melhor qualidade de vida aos pacientes.

A política de medicamentos pautou-se na normatização de condutas terapêuticas (consensos) e na distribuição gratuita de medicamentos anti-retrovirais, que constitui um grande marco de avanço no contexto assistencial.

Atribuições
Na sua concepção inicial dos SAE, ficou estabelecido que os Serviços deveriam:
• Oferecer atendimento através de equipe multiprofissional mínima com médico infectologista, enfermeiro, psicólogo e assistente social.Além desses, os Serviços deveriam apresentar em seu quadro de profissionais:
• Farmacêuticos devidamente treinados na logística de armazenagem e dispensação de medicamentos;
• Ginecologistas, em nível local, treinados para o manuseio clínico de mulheres portadoras do HIV/AIDS;
• Pediatras, em nível local, treinados para o manuseio clínico de crianças infectadas ou expostas ao HIV.
• Oferecer prioritariamente, atendimento odontológico em nível local, ou referenciar de maneira formal; e
• Constituir mecanismos formais de referência e contra-referência para outras especialidades médicas.
 
Entretanto, considerando os desdobramentos e conseqüências da adoção da disponibilização universal da terapia anti-retroviral; a obtenção de resultados e avaliações qualitativas de SAE realizadas pela Coordenação Nacional de DST e AIDS, aos conhecimentos gerenciais adquiridos nesse processo e ao novo enfoque de monitoramento e avaliação na condução da política de controle e prevenção das DST e AIDS no país, fez-se necessária a definição de novas práticas e/ou atividades nos SAE.

Neste sentido, novas diretrizes foram estabelecidas pelo Ministério da Saúde, para serem ser gradativamente incorporadas pelos Serviços, para que os SAE possam, através dessa readequação, permanecerem, efetivamente, como Serviços de Referência, a saber:
• Instituir práticas para adesão à terapia anti-retroviral;
• Priorizar a atenção a co-infecção HIV/TB, exercitando práticas para controle da co-infecção e aumento da adesão do paciente às terapias;
• Constituir-se, oficialmente, em unidades dispensadoras de medicamentos utilizando o Sistema Logístico de medicamentos (SICLOM);
• Desenvolver instrumentos de monitoramento e avaliação dos Serviços a serem aplicados em rotina pré-estabelecida, objetivando estabelecer transparência sobre a produtividade e obter subsídios para legitimar o desempenho do Serviço no contexto de saúde pública local.
 
O SAE de Juiz de Fora
O SAE de Juiz de Fora foi implantado em 28 de setembro de 1996, através de convênio firmado entre a Prefeitura de Juiz de Fora , através da então Secretaria Municipal de Saúde, e o Ministério da Saúde, que garantiu repasse de recursos financeiros, após elaboração e aprovação do Plano Operativo Anual (POA) - ainda hoje garantidos ao município, pelos Planos de Ações e Metas (PAM). Cria-se então o SAE, com o objetivo e compromisso de atender tanto os pacientes do município quanto da Zona da Mata, seguindo as diretrizes técnicas e políticas da Coordenação Nacional de DST e AIDS para atençãoàs pessoas portadoras de HIV e AIDS.

Recursos Humanos
O Serviço possui atualmente 21 profissionais, com capacitação técnica no manuseio clínico dos portadores do vírus HIV/AIDS, adquirida através da participação em cursos, treinamentos , congressos e conferências oferecidos e/ ou financiados pelo Ministério da Saúde, assim distribuídos:
Este material sobre o SAE foi cedido pela equipe do SAE na pessoa da assistente social Maria Helena dos Santos (SAE - Rua Marechal Deodoro, 496 - térreo - (32)3690-7527)

Patrícia Moura da Silva Guercio
Epidemiologista PMDST e AIDS de JF

Fevereiro de 2004
Prefeitura de Juiz de Fora
Av. Brasil, 2001 | 6° andar - Centro - Juiz de Fora/MG - CEP: 36060-010
Todos os direitos reservados. Copyright © 2016 - Site versão 3.0