|   -A     Padrão     A+   |  
Secretaria de Saúde - SS
PROGRAMA DST/AIDS

Mulher e a AIDS em Juiz de Fora - 2010


Dados divulgados pelo Ministério da Saúde em 26 de novembro de 2009 mostram que o mapa da Aids no Brasil destaca, entre outros, que a razão de sexo (número de casos em homens dividido por número de casos em mulheres) no Brasil diminuiu consideravelmente do início da epidemia até os dias atuais. Em 1986, a razão era de 15 casos de Aids em homens para cada caso em mulheres. A partir de 2003, a razão de sexo estabilizou-se. Para cada 15 casos em homens, existem 10 casos em mulheres.

A Superintendência de Epidemiologia da SES-MG ANO XII – Nº3 mai/jun 2009, considera que a desigualdade nas relações de poder, a maior dificuldade de negociação quanto ao uso de preservativo, a violência doméstica e sexual, a discriminação e o preconceito relacionados à raça, a etnia, somadas à falta de percepção sobre o risco de se infectar pelo HIV, contribuem para a vulnerabilidade feminina à infecção pelo HIV. No início da epidemia havia 01 caso no sexo feminino para 07 casos no sexo masculino e hoje chega a 01 caso feminino para 1,8 casos masculino em Minas Gerais (Tabela 1).


TABELA 1
Razão de sexo dos casos de AIDS agrupados por
quinquênio, Minas Gerais, 1980-2007*
ANO SEXO
FEMININO MASCULINO
1980 a 1989 1 7
1990 a 1994 1 4,2
1995 a 1999 1 2,3
2000 a 2004 1 1,7
2005 a 2007* 1 1,8
Fontes: SINAN/CEDSTAIDS/GVE/SE/SVS/SES-MG/SUS - *Dados sujeitos a alteração.

A proporção de casos agrupados por comportamento sexual e uso de droga MG, somados a tantos outros fatores de exposição, nos faz refletir a exposição dupla da mulher, tanto pelo uso de drogas, quanto pelo uso de drogas por parte do parceiro sexual. Uma vez reconhecida a maior exposição à prática sexual desprotegida em usuários de droga.

Em Juiz de Fora, o quadro não é diferente dos 2350 casos notificados 49% dos casos são em mulheres e a evolução da epidemia neste grupo carece de uma ampla análise de dados e fatos que vêm contribuindo de sobremaneira para a disseminação dos casos entre as mulheres.

Dados referentes ao avanço da epidemia ao longo das duas últimas décadas por faixa etária (Tabela 2) denunciam que o número de casos dobrou e quadruplicou nas faixas de maior concentração da doença no município: 20 a 34 anos e 35 a 49 anos respectivamente, chegando a ser oito vezes maior de 50 a 64 anos e dezesseis vezes maior na faixa de 65 a 79 anos, ultrapassando, incontestavelmente, o avanço da epidemia em pessoas do sexo masculino nas faixas etárias analisadas.


 Tabela 2
Distribuição dos casos de AIDS segundo faixa etária
em Juiz de Fora – MG de 1986 a 2007
ANO Faixa etária Total
15-19 20-34 35-49 50-54 65-79
M F M F M F M F M F M F
1986-1996 21 7 324 85 145 53 29 5 3 1 523 144
1997-2007 15 18 470 316 432 227 116 44 17 16 1051 629
Total 36 25 794 401 577 280 145 49 20 17 1574 773
Fonte: SINANW/DVEA/SS/PJF - Dados até 22/01/2010 sujeitos a revisão.

A Tabela 3 permite maior visualização da situação ao retratar o número crescente de mulheres sendo diagnosticadas no Centro de Testagem/JF ao compararmos com pessoas do sexo masculino/heterossexuais.

TABELA 3
Distribuição dos usuários do Centro de Aconselhamento e Testagem
anti-HIV  residentes em  Juiz de Fora segundo Categoria de Exposição Sexual e amostras confirmadamente reagentes de 2006 a 2009
Ano Homens   HSH/BI  Feminino Total
HIV
Testados HIV Testados HIV Testados HIV
2006 1.257 34 173 15 1.566 42 91
2007 1.544 15 134 23 1.667 24 62
2008 1.383 12 115 15 1.670 24 51
2009 1.106 14 158 14 1.611 22 50
Total Geral 5.290 75 630 6 6.514 112 254

Fonte: SCTA-Digitação: Angra Dias/Juiz de Fora - Atualização: 02/03/2010


Cabe citar a Portaria nº993/2000, do Ministério da Saúde, ano de 2000, que instituiu a notificação da gestante HIV+, compulsoriamente para fins de vigilância epidemiológica. Trata-se de uma importante medida para conhecer o mais precocemente possível a sorologia de gestantes e parturientes, e, consequentemente, promover o início oportuno da terapêutica e/ou da profilaxia da transmissão vertical. A doença passa a ser notificada tanto no pré-natal quanto no parto. Esta medida propiciou uma amostra considerável de mulheres sendo monitoradas em uma importante faixa etária de 15 a 49 anos.

Dados do Programa de Redução da Transmissão Vertical - Juiz de Fora registrou 67 gestantes diagnosticadas durante pré-natal e após o parto; acrescidas das 112 mulheres informadas pelo CTA, somam 179 mulheres com resultado confirmadamente soropositivo para HIV, em Juiz de Fora, de 2006 a 2009, sem contar com as 77 mulheres que já possuíam resultado soropositivo antes da gestação (Tabela 4).


Tabela 4
Distribuição de Casos de Gestantes HIV Positivas Residentes em JF/MG
Ano
Notificado
   Nº.
Gestante
Antes Pré-Natal Durante
Pré-Natal
Durante Parto Após o parto Informação Ignorada
2006 44 28 12 2 2 0
2007 40 16 20 2 1 1
2008 43 22 17 3 1 0
2009 19 11 05 2 0 1
Total 146 77 54 9 4 2
Fonte: SINANW+ SINANNET/DVEA/SS - dados até 22/10/2009

Faz-se necessária a percepção de que a epidemia da Aids em mulheres vem avançando de forma significativa, apesar das quedas de incidência nos números totais de casos da doença, no Brasil, Minas Gerais e Juiz de Fora.

O Programa Municipal DST e AIDS utiliza a educação continuada e dialogada, entre pares, na atividade de aconselhamento; atividades extra-muros em empresas; atividades de parceria com as Secretarias Estadual e Municipal de Educação e Organização da Sociedade Civil. Buscamos ainda a otimização da assistência integral à mulher junto aos demais serviços de assistência /conveniados do SUS.

A partir do dia 08 de março de 2010 o Centro de Aconselhamento e Testagem/CTA - JF estará reiniciando o atendimento noturno ofertando orientação/aconselhamento e testagem anti-HIV objetivando maior acesso aos serviços para usuários que não possuem disponibilidade durante o dia.

Enfermeira/Epidemiologista
Patrícia Moura da S. Guercio.
Março de 2010
Prefeitura de Juiz de Fora
Av. Brasil, 2001 | 6° andar - Centro - Juiz de Fora/MG - CEP: 36060-010
Todos os direitos reservados. Copyright © 2016 - Site versão 3.0